Animais em Condomínios, como assegurar bem estar a todos?

Animais em Condomínios, como assegurar bem estar a todos? 1

A convivência entre donos de animais de estimação e síndicos nem sempre é pacífica. Sem radicalismos, deve prevalecer o bom senso dos dois lados envolvidos.

Os donos de animais domésticos, sabem como a experiência é gratificante. Porém, para alguns moradores que convivem com animais que moram em condomínios nem sempre a experiência é positiva. Latidos em excesso, mau cheiro vindo do apartamento e sujeiras nas áreas comuns são as grandes reclamações.

Fazer cumprir o regulamento e contar com o bom senso dos proprietários de animais não é tarefa fácil para os síndicos. Para ajudá-los é imprescindível que o regulamento determine o que pode e o que não pode e, se necessário, levá-lo para discussão e atualização em assembleia.

Portanto, é muito importante que as regras sobre a conduta de animais no seu condomínio sejam seguidas. Para evitar atritos, ou ajudar a resolvê-los, há algumas dicas que podem ser seguidas e que valem para todos. Confira abaixo:

  •  Cachorros só devem andar com coleira e guia pelo condomínio;
  • A entrada, saída e circulação deve ser feita somente pelos locais permitidos;
  • O jardim, playground ou garagem não são lugares de passeio. Tampouco são banheiros dos animais. Mas, caso aconteça, recolha os dejetos do seu bichinho;
  • Escolhe sempre transitar com os animais pelos elevadores de serviço;
  • O animal ou seu ambiente não deve exalar cheiro desagradável.
  • Se for viajar ou ficar muito tempo fora de casa não deixe o animal trancado no apartamento;
  • Animais de estimação devem ser mantidos dentro da unidade. Eles não podem ser relegados ao hall, mesmo em prédios com apenas uma unidade por andar a área é considerada comum;
  • Caso o animal demonstre agressividade contra moradores ou outros bichos, deve-se considerar a possibilidade do uso da focinheira, independentemente do seu porte;
  • Caso o dono do animal não se disponha a colaborar com a vida em comum, como não pagando multas e se mostrando contrário ao convívio social pacífico, é possível identificá-lo como antissocial e, assim, aplicar a legislação prevista pelo condomínio.

Para que a vida em sociedade seja tranquila e harmoniosa, todos os moradores devem fazer sua parte, respeitando seu espaço e o do vizinho.

Fonte consultada: SindicoNet / Direcional Condomínios

Deixe um Comentário